Feeds:
Artigos
Comentários

Farc-epNo ano 2001 no Caguán realizam-se negociaçons entre o Estado Colombiano e as FARC-EP. Ate este lugar desprazou-se umha delegaçom de COSAL que lhe fai umhas interessantes e extensas entrevistas a Simón de Trinidad e outros comandantes das FARC-EP (15 páginas de entrevistas). Que foi publicada num número especial do seu vozeiro “Outras Vozes”, Especial número IV Especial Colômbia, em Janeiro de 2002. Da entrevista desta publicaçom imos transcrever uns extratos para entender este processo, este de diálogo do Caguán.

Simón de Trinidad:
Sobre o processo de diálogo: “A nós nom nos gosta muito utilizar o termo “Mesa de Diálogo e Negociaçom”. Nós paramos em “Mesa de Diálogo”, porque se há que negociar haveria que dar das duas partes, e nós já temos dito quem tem que dar, quem tem que ceder, quem tem que mudar, quem tem que ampliar o marco para que caiba todo o pais, é o Estado Colombiano. O povo colombiano pola sua miséria, pola sua pobreza, polo seu histórico abandono, nom tem que absolutamente nada que dar, e muito menos as suas organonizaçons, camponesas, estudantis, cívicas, obreiras e políticas, que o povo conseguiu construir em todos estes anos de luita. E entre todas estas organizaçons estam as organizaçons armadas, porque nós nom esquecemos a nossa origem. A nossa origem é popular, e fundamenta-se nas desigualdades e iniquidades do regime, que obligarom a setores da sociedade colombiana a armar-se, primeiro em defesa das suas vidas e pertenças, e finalmente tomando consciência da necessidade de organizar-se e de armar-se para tomar o poder.”

Continuar lendo

AntirrevissionismoEmpregando o Marxismo -o Materialismo Histórico- é impossível crer que detrás da autodeterminaçom nacional que proclamam umhas determinadas pessoas e organizaçons nom estejam os interesses dumhas classes sociais reais. Crer que os partidos som um conglomerado de ideias abstratas, Pensar que as grandes decisons políticas, que os grandes feitos históricos, se devem a vontades individuais de determinadas pessoas, provoca que sejamos incapazes de entender nada da história. O que ademais fará que nom podamos atuar conscientemente.

Continuar lendo

 

VotosNas próximas citas eleitorais há de ver-se até que ponto o Estado Espanhol precisa de reformas. Quanta maior seja a abstençom maior será o número e profundidade das reformas. Quanto maior a participaçom -com independência dos resultados-, menor interesse nas reformas estéticas do regime.
Depois das eleiçons veremos como se conciliam os interesses da oligarquia espanhola, a burguesia galega, a pequena burguesia e a aristocracia operária.

Continuar lendo

Crítica Kimetz“O caráter do proletariado é sempre internacionalista e de classe…” (*2)
Efetivamente o caráter, a mentalidade política da classe obreira é sempre de classe, só que a maior parte da história até os nossos dias é a falsa consciência da classe burguesa o que domina às grandes massas obreiras. Polo tanto
o que predomina nom é precisamente o internacionalismo, senom o nacionalismo espanhol e excecionalmente outro nacionalismo.
As massas obreiras nom som internacionalistas, nem tam sequer tenhem consciência de elas mesmas e do mundo espontaneamente. Precisamente por esta raçom é necessário o Partido Proletário de Novo Tipo. Assim atrevemo-nos a afirmar que detrás de esta asseveraçom acha-se umha incorreta valoraçom do fator espontâneo. Ideia que volveremos a ver em outras teses deste número de Enbor.

Continuar lendo

PodemosDetrás da igualdade dos cidadãos está a desigualdade das pessoas reais, de carne e osso. Da mesma maneira que no passado detrás da desigualdade real estava a mentira da igualdade da alma e o juiz divino. Polo menos a mentira da alma oferecia a fantasia do Paraíso, mas detrás da ilusom da cidadania e da democracia burguesa nom há nada mais que as eleiçons. Nom há nada mais que a miserável “festa da democracia burguesa”, em que todos se sentem igual. Igual de insignificantes, intranscendentes, anónimos.

Continuar lendo

Catalunya 2umha péssima notícia -para nós- que parte do movimento independentista catalám se deixe arrastrar polas mesmas falsas ilusons polas que se deixa arrastrar boa parte do independentismo galego. Que a luita por um referendo de autodeterminaçom fortaleza a um movimento independentista revolucionário é algo que está por ver. É algo que dependerá da habilidade do proletariado revolucionário catalám para manejar-se na situaçom concreta, para seguir a linha política justa.
Que as grandes massas que formam o povo trabalhador catalám vejam as instituçons do estado como um instrumento para solucionar os seus problemas e melhorar a sociedade dificulta que assumam a teoria revolucionária que necessitamos para ter consciência da realidade e poder transformá-la.

Continuar lendo

Charu Mazumdar revoluçomConsiderava como tarefa fundamental dos comunistas elevar a consciência de obreiras e camponeses, formando quadros políticos que difundissem e aplicassem a linha política revolucionária do partido entre as massas, educando às mesmas na ideia da revoluçom e a luita contra o estado, atraindo a setores cada vez mais amplos para esta causa, impedindo deste modo que centrassem o trabalho na participaçom nos sindicatos, nas associaçons legais de camponeses ou nas eleiçons, que só sementavam o pessimismo entre as massas e serviam aos interesses do revisionismo e as classes dominantes da Índia.

Continuar lendo

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 253 outros seguidores